sábado, 14 de junho de 2014

Mindfulness na sala dos 5 anos do Ninho

A sala dos 5 anos do Ninho esteve a experimentar a prática de mindfulness.

Mindfulness significa "atenção plena", o que se traduz na prática em termos consciência de cada momento que está a acontecer, estar no aqui e agora, dirigir a nossa atenção para aquilo que estamos a viver e a fazer.

É muito fácil ficarmos distraídos, perdidos no que estamos a pensar enquanto fazemos uma tarefa. As crianças terão ainda maiores dificuldades em focar e dirigir a sua atenção, porque são esponjinhas à procura de aprendizagens em cada lufada de vento que passa.

Frequentemente os pais "queixam-se" de que estão sempre distraídos, desatentos, que se esquecem do que lhes pedem, que não se lembram dos recados, que não acabam o que começam.

Mas nós, adultos, também não somos exímios no controlo da nossa atenção. Muitas vezes nem nos apercebemos bem do que estão a conversar connosco porque entretanto nos perdemos a pensar no que vamos fazer no dia seguinte...

A aprendizagem e prática  de Mindfulness permite-nos descobrir ou desenvolver as nossas competências para relaxar, focar a nossa atenção e a nossa consciência para o presente. 

Podemos aprender a reconhecer as emoções que despertam quando estamos a fazer uma actividade difícil, como a frustração ou a zanga, e que automaticamente enviam mensagens ao nosso pensamento para nos ordene que paremos ou passemos a outra tarefa qualquer... Qualquer coisa que nos afaste do que nos está a fazer sentir mal... E a verdade é que na maioria das vezes, fazemos todo este percurso sem quase nos apercebermos porquê. Agimos de forma quase automática, como se não houvesse alternativa. 

A prática de mindfulness ajuda-nos a termos capacidade de reflexão... a tomarmos decisões ponderadas e menos automáticas. A reduzir a impulsividade...  A viver no momento presente e não o deixarmos passar em vão.

O exercício que fizemos nesta sessão foi com um rebuçado, mas podem experimentar aí em casa com qualquer outro alimento: cenoura, chocolate, maçã, etc.



Então é assim:
Pai, mãe, manos, avós e companhia, deixem de lado os jornais ou revistas, desliguem o computador, a televisão ou o rádio e qualquer coisa que possa desconcentrar e roubar a atenção.
Agora peguem no rebuçado (ou o que tenham escolhido) e coloquem à vossa frente, sem lhe tocar. Observem tudo, desde o papel que está à volta, às cores, aos desenhos que possa ter, à forma como assenta na mesa onde está colocado. Demorem-se o tempo que acharem necessário.
Depois agarrem e levem-no até ao ouvido e oiçam os sons que faz ao mexer-se no papel e ao desembrulha-lo. A seguir peguem no rebuçado já sem "casca", e coloquem-no na palma da mão, mexendo-lhe e percebendo as sensações que se têm ao tocar em algo pegajoso. Em seguida é a etapa em que o levamos até à ponta do nariz e inspiramos profundamente para sentir tudo o que o nosso olfacto conseguir "apanhar"! Por fim, colocamos na língua, ainda antes de comer, e saboreamos todas as sensações, o sabor, a textura, o contacto dos dentes com o rebuçado e por fim, mastigamos, sentindo o que acontece à medida que se cola aos dentes e ao céu da boca, a salivação, o gosto que vai ficando até desaparecer.
E poderão estar a perguntar... em que ajuda desfrutar com atenção plena de um rebuçado?
É só um exemplo...
Depois é praticar com um desenho, com um jogo, com uma conversa, com todos os momentos do dia-a-dia em que possamos beneficiar com a nossa atenção focada e não com a distracção!




e ninguém escapou.











Enviar um comentário