quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Promoção da fala e da linguagem

Follow my blog with Bloglovin


As crianças comunicam desde muito cedo...! Logo quando ainda estão dentro da barriga das mães, é frequente vermos as carícias que estas fazem para "acalmar" um bebé que comunica com a sua agitação intra-uterina... Mais tarde, é pelo seu choro, que embora muitas vezes seja desconfortável e incómodo de ouvir, é precisamente por essa razão que alcança o seu efeito: comunicar as necessidades ou desconfortos do bebé. Mas também o sorriso, o seguir com o olhar e o "esbracejar" ou inclinar em direcção a uma pessoa ou objecto significativo, permitem aos pais atentos descodificarem os interesses e prazeres dos seus pequenos príncipes e princesas! 
Quando começam as surgir as pequenas interacções verbais e as primeiras palavras é normal que todos em redor se entusiasmem e procurem que a criança seja cada vez mais competente na conversação. Contudo, cada criança tem o seu próprio ritmo, características e temperamento, e até mesmo certas circunstâncias podem ser verdadeiramente determinantes na progressão do discurso verbal. Uma criança que seja mais inibida, outra que seja estimulada pela existência de irmãos mais velhos, outra que precise de se esforçar pouco porque está ao cuidado de um adulto que lhe dá atenção plena e antecipa a sua comunicação, outra ainda que seja muito autónoma e competente para se movimentar no seu ambiente sem necessitar de comunicar as suas necessidades aos adultos... outras ainda, não nos esquecemos, que poderão realmente ter alguma problemática do desenvolvimento global ou especificamente da linguagem.
O mais importante é haver tranquilidade, naturalidade e espontaneidade na interacção verbal com a criança, com nível adequado de linguagem, mas não simplificando demasiado. A criança deve ter prazer na interacção e comunicação e não sentir que é um desafio constante em que está sempre a ser posta à prova... Devemos utilizar comentários e questões que encorajem a criança a falar sobre os seus sentimentos, experiências e ideias (o que se passou durante o dia, o que vamos fazer este fim de semana) para que a linguagem seja significativa, traduz efectivamente o que é vivenciado no dia-a-dia da criança e é importante para si no dia seguinte...
O discurso da criança é reforçado ao ouvi-la, mantendo contacto ocular, sorrindo, e respondendo com interesse, e não tentanto conversar apenas quando é para servir de distracção para que coma a sopa.... É importante que se fale acerca do que se está a ver na televisão, do que vamos fazer quando entramos para o carro, do que estamos a descascar enquanto preparamos o jantar. Poderá haver necessidade de controlar a ansiedade dos próprios pais, aprendendo a dar tempo suficiente (ou mais um pouco) para que a criança responda. 
Por último, parece-me importante realçar que as indicações devem ser o mais claras e inequívocas possível, evitando a repetição de instruções desnecessariamente. E não esquecendo de procurar utilizar mais frequentemente o sentido positivo (“faz …,” em vez de “não faças…”

Deixo aqui alguns jogos que podem ser construídos e realizados em família e que ajudam no desenvolvimento da linguagem e da fala! 

Descobre o Par

Ensine à criança a fazer coincidir objectos que fazem par, e depois veja se ela consegue fazer um jogo de
"Descobre o Par" para si!

Materiais: 
  • Objectos (reais ou em imagens) que fazem par, como um sapato e uma meia, lápis e papel, colher e prato, sabão e esfregão, pasta e escova de dentes, pente e bandolete, ketchup e mostarda, e por aí fora
1. Reúna vários pares de objectos que se utilizam juntos mas que não sejam iguais
2. Separe os pares de objectos em duas pilhas.
3. Coloque a primeira pilha no chão ou sobre a mesa, à frente da criança.
4. Retire um dos objectos de uma das pilhas e mostre-o à criança.
5. Peça à criança que seleccione o objecto correspondente, da outra pilha. Coloque o par de lado, e seleccione outro objecto.
6. Continue até todos os objectos terem correspondentes. Explique à criança porque é que os objectos correspondem, e falem de como são diferentes.
7. Dê a oportunidade à criança de reunir objectos para os próprios pais fazerem corresponder!


Toca e Descobre

Ajude a criança a aprender a usar o sentido do tacto para explorar o ambiente que o rodeia. Incentive-a a fazer imagens mentais das coisas que ela sente.

Materiais: 
  • Vários objectos do tamanho da palma das mãos da criança com texturas diferentes, como um peluche, um pano de limpeza, uma caneca, uma bolacha, uma bola, e por aí fora
  • Saco de papel
  • Venda para os olhos (opcional)
1. Reúna vários objectos com texturas ou formas diferentes e coloque-os no saco de papel.
2. Sente-se à frente da criança no chão.
3. Ponha a venda nos olhos da criança, ou peça-lhe que feche os olhos.
4. Retire um objecto do saco e coloque-o nas mãos da criança.
5. Peça-lhe que sinta bem o objecto e para adivinhar o que é.
6. Dê pistas se a criança tiver com dificuldades em adivinhar.

Se a criança não gostar de ter a venda nos olhos, peça-lhe que feche os olhos e incentive-a a não espreitar.


Caixa Misteriosa

As crianças adoram mistérios. Crie um mistério à volta de uma simples caixa, escondendo qualquer coisa misteriosa lá dentro!

Materiais: 
  • Vários objectos que não se partam e que a criança conheça bem, como o seu sapato, um brinquedo, uma boneca, um copo especial, o livro preferido, e por aí fora
  • Um saco de papel
  • Uma caixa pequena, como por exemplo uma caixa de sapatos
  • Fita adesiva
1. Reúna vários objectos que a criança conheça e coloque-os dentro do saco de papel, de forma a que a criança não os veja.
2. Peça à criança que feche os olhos, e depois retire um objecto do saco e coloque-o na caixa.
3. Feche a tampa com fita adesiva, e dê à criança para segurar.
4. Diga à criança que há alguma coisa misteriosa dentro da caixa.
5. Deixe a criança sentir o peso, abanar a caixa, e pensar no mistério durante alguns minutos.
6. Dê-lhe uma pista sobre o que está lá dentro e deixe-a adivinhar o que é.
7. Continue a dar pistas até a criança adivinhar.
8. Abra a caixa, mostre-lhe o objecto e joguem outra vez!


Foto-História

É divertido ver fotografias de família, para nos lembrarmos de recordações queridas. Veja se a criança consegue colocar fotografias por ordem cronológica!

Materiais: 
  • 3 ou 4 fotografias das férias da família, um aniversário, ou outra ocasião especial na vida da criança
1. Misture as fotografias e coloque-as sobre a mesa.
2. Peça à criança que se tente lembrar do que aconteceu primeiro e peça-lhe que escolha a fotografia correspondente.
3. Depois, peça-lhe que escolha a fotografia que representa o que aconteceu a seguir.
4. Continue até a criança seleccionar todas as fotografias e as colocar por ordem cronológica.
5. Peça-lhe que conte a história do que aconteceu, do princípio ao fim, fazendo perguntas para a ajudar a lembrar-se de mais pormenores.
Enviar um comentário