segunda-feira, 24 de junho de 2019

Ser feliz | Estar feliz | Procurar a felicidade

Todos nós já quisemos ou queremos ser felizes. Até mesmo o Dalai Lama disse: "O propósito da vida é buscar a felicidade". Mas será que lá queremos chegar?
A palavra "felicidade" pode ter dois significados muito diferentes. Geralmente refere-se a um sentimento: uma sensação de prazer, alegria ou gratificação. E como todos gostamos de nos sentir bem, não será de estranhar que os perseguimos. No entanto, tal como todos os sentimentos e sensações, a felicidade não é permanente. Por muito que tentemos agarrar-nos, ela escapa o tempo todo. 
O outro significado da felicidade é "uma vida rica, plena e significativa". Quando fazemos o que realmente importa, quando nos movemos em direções que consideramos valiosas e dignas, quando esclarecemos o que defendemos na vida e agimos de acordo, então nossas vidas se tornam ricas e cheias e significativas, e experienciamos uma poderosa sensação de vitalidade. Este não é um sentimento fugaz - é um sentido profundo de uma vida bem vivida. E, embora esta vida nos proporcione, sem dúvida, muitos sentimentos agradáveis, ela também nos deixará desconfortáveis, com tristeza, medo e raiva. Isto é garantido. Se vivermos uma vida plena, sentiremos toda a gama de emoções humanas. 

No livro The Happiness Trap (Russ Harris, 2008), defende-se que o segundo significado de felicidade nos trará melhor resultado que procurar o primeiro. É claro que sentimentos alegres são bastante agradáveis, e certamente devemos aproveitar ao máximo quando se apresentarem. Mas se tentarmos tê-los o tempo todo, estamos votados ao fracasso. A realidade é que a vida envolve dor. Não há como fugir disso. Como seres humanos, todos nós nos deparamos com o fato de que, mais cedo ou mais tarde, ficaremos doentes, enfraqueceremos e morreremos. Mais cedo ou mais tarde, todos perderemos relacionamentos importantes por rejeição, separação ou morte. Mais cedo ou mais tarde, todos ficaremos frente a frente com uma crise, decepção e fracasso. Isso significa que, de uma forma ou de outra, todos nós vamos sentir sentimentos dolorosos. A boa notícia é que, embora não possamos evitar a dor, podemos aprender a lidar com ela muito melhor - se dermos espaço a que apareça, a possamos reconhecer e criarmos uma vida digna de ser vivida.

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Vamos começar... pelo fim?

Parque Verde, Alcobaça
"Nem sei por onde começar..."

É assim que se iniciam a maioria das primeiras consultas num processo de psicoterapia. A vida vai-nos acontecendo, até que um dia sentimos que já não conseguimos lidar com tanto que temos à nossa volta (ou com tanto vazio que existe dentro de nós) que surge a necessidade de pedir ajuda. Mas depois ali chegados, é como se o novelo estivesse tão enredado que já não sabemos onde começam e onde terminam as dificuldades.... O que dizer? Falamos da semana terrível? Da discussão desta manhã com chefe? Da solidão do Natal que passou? Ou daquele episódio gravado na memória desde a infância?

Mas então e se começarmos pelo fim? Vamos supor que o trabalho que vamos desenvolver na psicoterapia corre bem... então...

  • O que é que se imagina a fazer de diferente?
  • O que irá começar ou deixar de fazer?
  • O que irá fazer ainda mais ou quererá fazer cada vez menos?
  • Como se imagina a tratar de si, dos outros do mundo?
  • De que pessoas, lugares, eventos, atividades ou desafios irá contactar, aproximar-se ou envolver-se ainda mais (em vez de evitar, desistir, afastar-se)?
É com um foco consciente e deliberado no que queremos para uma vida plena que iremos orientar o nosso caminho. Não há dois caminhos idênticos, pois apesar de parecer que todos nascemos iguais e todos queremos as mesmas coisas, a verdade é que o que somos e o que nos faz felizes tem de ser explorado em profundidade e determinará a motivação com que nos envolveremos em cada passo do caminho! 

segunda-feira, 29 de abril de 2019

No @regiaodecister desta semana sobre Inteligência Emocional com a sabia opinião da colega Tatiana Fernandes.
Parceria da @pomardebracos com o @geracao.s.mais